Esta edição da revista Outubro tem uma pauta diversificada. Para os interessados nos recentes desenvolvimentos políticos e econômicos do capitalismo contemporâneo, os artigos de Gilbert Achcar, sobre a política estadunidense no oriente Médio, e de Luciano Vasapollo sobre a pobreza na União Européia são de grande interesse. A estréia de Achacar em nossas páginas merece uma apresentação especial. Viveu no Líbano antes de mudar-se para a França onde leciona Política e Relações Internacionais na Universidade de Paris VIII. Embora até o momento seus livros não tenham sido publicados no Brasil, Achcar tem contribuído de modo decisivo para o debate sobre a Nova Ordem Mundial É autor de Le choc des barbaries (Complexe, 2002, publicado também em inglês pela Monthly Press) e de L’Orient incandescent : L’islam, l’Afghanistan, la Palestine (Page Deux, 2003).

Os artigos de Eleutério Prado abordando a teoria social de André Gorz e de Flávio Bezerra de Farias, mapeando o debate sobre o Estado globalizado constituem vigorosas críticas ao pós-marxismo contemporâneo. Acompanhar esse debate tem sido uma das preocupações do Conselho Editorial de nossa revista e a publicação desses artigos reitera, mais uma vez, a disposição de articular a análise rigorosa e a crítica qualificada.

A obra de Marx é objeto de artigo de Daniel Romero discutindo a pré-história da teoria da subsunção do trabalho. Trabalhando com um conjunto de textos anteriores a O capital, o autor ressalta a necessidade de fazer história do conceito reconstruindo a trajetória teórica de Marx e de Engels. Por último, todos aqueles interessados na história das revoluções têm no artigo de Valério Arcary sobre a revolução portuguesa bons motivos de satisfação. Membro de nosso Conselho Editorial, Arcary participou diretamente dos acontecimentos de 1975 e faz aqui um exercício de “historiografia participante” digno de nota.

Nos últimos dois anos, a revista Outubro vem realizando esforços no sentido de incrementar a qualidade editorial da revista e ampliar sua circulação nacional e internacionalmente. Foi com esse intuito que fizemos a reforma gráfica da revista, adaptando-a às exigências das bases de indexação de publicações acadêmicas. Esse esforço vem produzindo importantes resultados. A revista foi recentemente incorporada ao Portal de Periódicos Capes (www.periodicos.capes.gov.br) e a partir deste número Outubro passa a ser indexada, também, por International Bibliography of Social Sciences mantida pela London School of Economics and Political Science. Também merece ser destacado o acordo de colaboração feito entre a nossa revista e a revista inglesa Historical Materialism, cujo anúncio já pode ser visto nas páginas deste número. São razões adicionais para desejar todos uma boa leitura.

EDIÇÃO 11