Três são os temas que cruzam a edição da revista Outubro que o leitor tem agora em mãos: as transformações do capitalismo contemporâneo, as contra-reformas do governo Lula da Silva e a teoria marxista da política. Discutindo o primeiro desses temas, estão Bob Jessop, da Lancaster University (Inglaterra) e Thomas Coutrot, economista e conselheiro científico da Association pour la Taxation des Transactions pour l’Aide aux Citoyens (Attac-França). Jessop, submete à análise rigorosa as apologias da hegemonia estadunidense na nova ordem mundial, levadas a cabo por Manuel Castells, Michael Hardt e Antonio Negri, compreendidas como celebrações de direita e de esquerda da nova economia e do Estado em rede associados ao capitalismo global contemporâneo. Coutrot, por sua vez, discute a influência cada vez maior dos mercados financeiros nos processos de organização da produção e do trabalho dentro das empresas. Como conseqüência, destaca, por um lado, a forte fragmentação do salariado e a perda de poder dos movimentos sindicais em seus segmentos menos organizados e, por outro, a formação de contra-poderes à lógica da financeirização que podem caracterizar uma nova resposta à incursão do mercado na produção: os fóruns sociais.

O governo Lula da Silva é analisado em artigos de autoria de Edmundo Fernandes Dias e Antonio de Pádua Bosi, a respeito do projeto anunciado de reforma sindical e trabalhista, e de Marcelo Badaró Mattos, sobre a reforma universitária. Embora escritos antes da presente crise política esses artigos tem em comum o forte viés crítico, característica dos estudos sobre o governo do Partido dos Trabalhadores publicadas na revista Outubro.

A teoria marxista da política é tema tratado por Carlos Zacarias F. de Sena Júnior e Eurelino Coelho, autores que a partir deste número passam a integrar o Conselho Editorial da revista. Sena Junior apresenta o debate marxista sobre a transição e a ruptura com base na categoria de “situação revolucionária”. Por sua vez, Coelho analisa de textos produzidos por autores vinculados às organizações políticas que vieram a compor, na década de 1990, o chamado campo majoritário do PT para discutir a mudança de significado operada sobre algumas categorias teóricas gramscianas, com ênfase para a de hegemonia. Completa a revista um conjunto de resenhas sobre importantes lançamentos no âmbito da pesquisa marxista.

O Conselho Editorial da revista Outubro aproveita o lançamento deste número para convidar todos os seus colaboradores para participarem do 4º Colóquio Marx e Engels, de 8 a 11 de novembro de 2005 no Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas. Organizado pelo Centro de Estudos Marxistas (Cemarx), o Colóquio consolidou-se como um espaço aberto e estimulante de discussão do marxismo em suas múltiplas manifestações. Trata-se do evento acadêmico mais importante no âmbito do marxismo brasileiro. Informações sobre a programação podem ser obtidas na página do Cemarx (www.unicamp.br/cemarx). Durante o Colóquio a revista Outubro realizará seu Encontro Nacional, para discutir os rumos da revista e a composição de seu Conselho Editorial.

EDIÇÃO 12 COMPLETA