Apresentação

A edição 28 da Outubro traz um conjunto de análises sobre a crise brasileira e um dossiê sobre a Revolução Russa no seu centenário.

A primeira edição da Outubro em 2017 abre com uma entrevista que discute uma contribuição internacional ao pensamento político e social contemporâneo pouco conhecida pelo público brasileiro. George Souvlis interpela o professor e pesquisador John Chalcraft, a respeito de seu percurso intelectual ao longo da última década, seus trabalhos sobre as classes populares no Oriente Médio e o uso do conceito de contra-hegemonia, inspirado em Antonio Gramsci, para interpretar a política e cultura dos grupos sociais. Chalcraft discute questões caras ao debate sobre o mundo “não-ocidental”, em especial em relação ao problema do eurocentrismo em meio à historiografia marxista.

Em seguida, ainda na intersecção entre inspiração gramsciana e interpretação da realidade contemporânea, seguem-se três artigos selecionados pela Outubro, realizados a partir das comunicações apresentadas no “Colóquio Gramsci: a centralidade da política”, realizado na Universidade de São Paulo em 2015. Estas foram apresentadas na mesa intitulada “Gramsci e a crise no Brasil”, que buscou promover um espaço de elaboração plural sobre a crise brasileira a partir do esforço em destacar a atualidade do pensamento do marxista italiano em diálogo com diferentes pontos de vista sobre o Brasil. As falas foram revisadas à luz dos acontecimentos que separam os últimos meses de 2015 e o início de 2017, dentre eles o impeachment de Dilma Rousseff, mas continuam a sustentar as hipóteses elaboradas no evento. Alvaro Bianchi, Lincoln Secco e André Singer recorrem a diversas noções gramscianas – como revolução passiva, crise de hegemonia, crise de direção e classes subalternas – e chegam a diagnósticos bastante diversos e estimulantes sobre o cenário atual.

A relação entre vida intelectual e ação política segue como tema dos dois artigo seguintes. Rodrigo Santaella e Leonardo Belinelli buscam pensar o fenômeno da “nacionalização do marxismo” na experiência do Seminário d’O Capital, no Brasil, em comparação com a trajetória do Grupo Comuna da Bolívia. Aqui, os autores revisitam o problema das ideias e seu lugar e da tensão existente entre o núcleo geral do marxismo, elaborado em moldes europeus, e as especificidades latino-americanas. Fabio Querido, em seu artigo sobre o pensamento de Michael Löwy, também explora uma trajetória intelectual criativa e em unidade permanente com os dilemas da política revolucionária.

Em artigo sobre as eleições que elegeram Donald Trump, Mike Davis discute as profundas transformações pelas quais os Estados Unidos passaram na última década de crise econômica. O autor busca mostrar a falência da política democrata no país e as brechas que se abrem para alternativas, tanto à esquerda como à direita, nas várias regiões do país. Assim, converte a corrida presidencial de 2016 norte-americana em um ponto de partida necessário para pensar a política radical.

No ano em que em que a Revolução Russa completa seu centenário, a Outubro inicia a publicação de um conjunto de artigos que visam chamar a atenção para a atualidade deste grande evento político. Sob o nome Às margens da Revolução Russa, ao longo dos três volumes de 2017 a revista pretende enfatizar, por meio dos artigos, a relevância de temas e reflexões sobre a revolução menos conhecidos, considerados “menores” ou hereges.

Este este ciclo de publicações com artigo de Leonardo Rapone que recupera as intervenções jornalísticas do então jovem Antonio Gramsci nos anos de 1917 e 1918, da Revolução na Rússia aos protestos massivos na Itália ao fim da I Guerra Mundial. Rapone mostra as continuidades e rupturas na análise conjuntural do marxista sardo, que parte de uma concepção cultural da revolução que, a partir de 1918, desloca sua ênfase para o problema do Estado e dos soviets.

Apresentamos ainda o artigo de Kevin Murphy que analisa as origens da Revolução que derrubou o regime czarista e instaurou um regime liberal na Rússia. Ao destacar a força das trabalhadoras organizadas e dos soviets no processo revolucionário, o autor joga luz sobre o papel das esquerdas no período e a continuidade deste processo.

Kevin Murphy também assina um interessante comentário ao livro de Thomas Twiss publicado em 2014 e que discute as posições de Leon Trotsky diante da burocratização da União Soviética nos anos 1930. Apesar de seu papel importante como opositor de Stálin, Trotsky não esteve livre de erros em sua análise da política soviética, especialmente no que diz respeito à vida camponesa. Neste sentido, Murphy questiona a elaboração teórica do revolucionário russo ao redor do tema do bonapartismo.

Para fechar este bloco, Thyago Villela volta ao debate promovido por Trotsky a respeito do tema da “cultura operária” em seu livro Literatura e Revolução, de 1923. A partir da reconstrução do ambiente crítico em que este debate se deu, Vilella enfatiza a importância da discussão em torno da cultura e da arte para pensar os principais problemas políticos que marcaram o período, de repressão ao movimento soviético operário.

Não deixe de ler as resenhas ao final desta edição.

Boa leitura!

Secretaria de Redação

Revista Outubro

Sumário

Artigos

Contra-hegemonia e política popular no Oriente Médio: uma entrevista com John Chalcraft

George Souvlis (Instituto da Universidade Europeia, Itália)

Revolução passiva e crise de hegemonia no Brasil contemporâneo

Alvaro Bianchi (Universidade Estadual de Campinas, Brasil)

Crise e Terror no Brasil

Lincoln Secco (Universidade de São Paulo, Brasil))

Crise de direção na conjuntura do impeachment (2015-2016)

André Singer (Universidade de São Paulo, Brasil)

Notas teóricas sobre a “nacionalização” do marxismo: os casos do Seminário d’O Capital e do grupo Comuna

Rodrigo Santaella (Instituto Federal do Ceará, Brasil)

Leonardo Belinelli (Universidade de São Paulo, Brasil)

Dilemas do anticapitalismo contemporâneo: Michael Löwy e o marxismo libertário

Fabio Mascaro Querido (Universidade Estadual de Campinas, Brasil)

O grande Deus Trump e a incrível classe trabalhadora branca

Mike Davis (Universidade da Califórnia Riverside, Estados Unidos

Dossiê: Às margens da Revolução Russa

A história da Revolução Russa de fevereiro de 1917

Kevin Murphy (Universidade de Massachusetts Boston, Estados Unidos)

Trotsky e o problema da burocracia soviética

Kevin Murphy (Universidade de Massachusetts Boston, Estados Unidos)

Antonio Gramsci em 1917

Leonardo Rapone (Universidade de Estudos da Tuscia, Itália)

A cultura na revolução, a revolução na cultura: o debate sobre a cultura proletária em Literatura e Revolução

Thyago Villela (Universidade Estadual de Campinas, Brasil)

Resenhas

RUBBO, Deni. Párias da Terra. São Paulo: Alameda, 2016.

Por Joana Salém (Universidade de São Paulo, Brasil)

BIROLI, Flavia; MIGUEL, Luis Felipe (orgs.). Aborto e democracia. |São Paulo: Alameda, 2016.

Por Daniela Mussi (Universidade de São Paulo, Brasil)

SINGER, André e LOUREIRO, Isabel. Contradições do lulismo: a que ponto chegamos? São Paulo: Boitempo, 2016.                                      Por Camila Góes (Universidade Estadual de Campinas, Brasil)

Participe da discussão sobre o artigo/edição acima.